domingo, 14 de abril de 2013


Reconstrução e autoestima!!!!!

Finalmente cheguei na  última etapa da reconstrução, foram três  cirurgias que com

A graça de Deus correu tudo dentro do esperado.  A primeira etapa pra mim foi a mais difícil senti  uma dor considerável mas, dor é muito difícil comparar, porque o que é dor para alguns para outros não é, sendo assim é relativo. Na primeira cirurgia foi “rodado o músculo das costas pra frente”  foi colocado o expansor, depois de um mês deu se  inicio a expansão, toda semana era administrado 100ml de soro  no inicio dói um pouco depois de umas três semana  não dói mais.  Fiquei com 840 ml affff fiquei “peituda”kkkkkkkkkkkkk.  Não tive problema  com meu braço fiz fisioterapia e deu tudo certo . Foram quase três meses para expandir depois um mês de descanso.

            Segunda cirurgia troca do expansor pela prótese de silicone, super tranqüilo não senti nada  graça a Deus. Terceira e última, fiz a simetria e o bico somente um pouco de incômodo normal de uma cirurgia. Depois de quatro meses posso fazer a tatuagem da aureola para finalizar. Existem varias maneira de realizar a reconstrução, meu médico optou por essas etapas no meu caso.  

            Pra mim foi muito desconfortável ficar sem um seio, sempre quando pensava que tinha que colocar enchimento  ficava nervosa.  Quando fui pra praia  com minha amiga dei um “chilique”, porque provei  muitos biquínis não deu certo nenhum, fiquei triste até chorei. Sei que por tudo que passei isso é uma bobagem mas..., eu queria poder não me preocupar com qual biquíni usar qual roupa vai dar certo e na academia!!!!! não conseguia trocar de roupa perto de ninguém tinha vergonha.  E teve inúmeras situações que fiquei constrangida com a falta do meu seio. Algumas pessoas acreditam que é uma bobagem, fazer a reconstrução, mas pra mim fez uma enorme diferença  fiquei mais animada e quase esqueço que passei por uma mastectomia. Devolveu minha autoestima, vou dizer uma coisa que eu sinto: parece que me sinto mais mulher mais atraente antes da reconstrução todas essas sensações eu não sentia.

  Penso que  a reconstrução  é um procedimento importantíssimo na recuperação da autoestima , no tratamento, me sinto muito melhor agora estou satisfeita com o resultado e agora que tudo chegou ao fim  vida normal.  Ou bem próximo disso rsrsrsrsrs  já estou sentindo um “friozinho na barriga”, porque final de abril vou fazer todos os exames novamente mas sempre com  muita fé em Deus e Maria na frente tudo dará certo.

Agradeço em nome de Jesus pela  intercessão de nossa senhora junto ao pai por ter me concedido tantos milagres em minha vida. Agradeço Senhor por todas as pessoas que o Senhor  colocou na minha vida  nessa fase difícil que passei, pelos médicos, tec., enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, recepcionistas, pessoal da  copa da limpeza    e todos  que fazem parte da equipe da saúde pessoas capacitadas pelo Senhor.   E  não poderia deixar de agradecer minha família de perto de longe meus amigos os próximos os que não são tão próximos os de perto os de longe as amigas do blog, aos amigos novos que fiz nessa fase. Agradecer meu filho  que esteve ao meu lado e que por ele eu consegui  ter mais vontade de que tudo desse certo.  Minha mãe, meu pai que não está mais entre nós  mas, que me ajudou muito, meus irmãos, enfim a todos que rezaram por mim  muito obrigada.  Em nome de Jesus eu agradeço senhor  por todas as pessoas que rezaram por mim que o senhor ilumine a todos.

Fiquem com Deus. Um forte abraço a todos!!!!!!!!!!!!!!!!!
PS: Este moço lindo da foto é meu filhorsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsr.
 

 

quinta-feira, 21 de março de 2013

SIMETRIA!!!!!!!!!!!!
FINALMENTE CHEGOU O DIA DE FAZER A SIMETRIA, AMANHÃ DIA 22/03/2013. EXATAMENTE NO DIA EM  QUE FAZ DOIS ANOS DE MASTECTOMIA UMA COINCIDÊNCIA. EM 22/03/2011 ESTAVA TUDO MUITO DIFÍCIL, A INCERTEZA DA CIRURGIA A ANSIEDADE    PELO RESULTADOS DOS EXAMES REALIZADOS DA MAMA RETIRADA, MUITAS DÚVIDAS. MAS GRAÇAS A DEUS PASSOU,  PEÇO EM NOME DE JESUS QUE CORRA TUDO BEM COM MINHA CIRURGIA AMANHÃ QUE NOSSA SENHORA INTERCEDA POR MIM. ILUMINE TODOS OS PROFISSIONAIS QUE ESTARÃO PRESENTES NO CENTRO CIRÚRGICO  E QUE O SENHOR GUIE  OS OLHOS, AS MÃOS DO DR° MITRI E TODA SUA EQUIPE.
             TODO O PROCESSO DA RECONSTRUÇÃO INCLUSIVE A SIMETRIA O CONVÊNIO PAGOU, SÓ NÃO COBRIU A PRÓTESE, PORQUE FOI USADA UMA QUE NÃO É PADRÃO NO  PLANO DE SAÚDE , NO ENTANTO FIZ O PEDIDO DE RESSARCIMENTO E RECEBI O VALOR DA PRÓTESE QUE ELES OFERECEM. EU NEM SABIA QUE PODERIA PEDIR O REEMBOLSO MAS A CRIS FOI SUPER "LEGAL" E ME PASSOU ESSA INFORMAÇÃO BRIGADINHA CRIS.  QUE DEUS ABENÇÕE A TODOS.

                       
"Nos dias de hoje, cada vez mais, acentua-se a necessidade de ser forte. Mas não há uma fórmula mágica que nos faça chegar à força sem que antes tenhamos provado a fraqueza." Padre Fábio de Melo

quinta-feira, 7 de março de 2013



História do 8 de março

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Objetivo da Data

Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Conquistas das Mulheres Brasileiras

Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.

Marcos das Conquistas das Mulheres na História

- 1788 - o político e filósofo francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres.

- 1840 - Lucrécia Mott luta pela igualdade de direitos para mulheres e negros dos Estados Unidos.

- 1859 - surge na Rússia, na cidade de São Petersburgo, um movimento de luta pelos direitos das mulheres.

- 1862 - durante as eleições municipais, as mulheres podem votar pela primeira vez na Suécia.

- 1865 - na Alemanha, Louise Otto, cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs.

- 1866 - No Reino Unido, o economista John S. Mill escreve exigindo o direito de voto para as mulheres inglesas

- 1869 - é criada nos Estados Unidos a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres

- 1870 - Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de Medicina.

- 1874 - criada no Japão a primeira escola normal para moças

- 1878 - criada na Rússia uma Universidade Feminina

- 1901 - o deputado francês René Viviani defende o direito de voto das mulheres

 

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013



Origem do Rei Momo


REI MOMO - O dono do carnaval


A mitologia grega trata Momo, filho do Sono e da Noite, como o deus da zombaria, do sarcasmo, da galhofa, do delírio, da irreverência e do achincalhe. Diante do seu costume de criticar e ridicularizar os outros deuses, a divindade maior do Olimpo perdeu a paciência com ele e o despachou para a Terra, onde o divino deportado passou a ser representado por um jovem tirando a máscara e mostrando o rosto zombeteiro, ao mesmo tempo em que sacudia guizos e apresentava o estandarte da folia que era a razão da sua existência. A coroação de um rei Momo na Terra vem de longa data, pois houve tempo em que na Roma antiga, durante a realização de determinadas festas, o soldado escolhido como o mais belo de todos era quem recebia a coroa de monarca brincalhão, o que lhe dava o direito de comer, beber e brincar até esgotar totalmente suas forças, sem que ninguém o impedisse de fazer coisa alguma. Depois de finda a farra, e ao contrário do que acontece hoje em dia, ele era solenemente levado ao altar do deus Saturno e ali sacrificado com todas as honras que merecia. A figura de Momo no carnaval brasileiro surgiu em 1933, no Rio de Janeiro, graças a um cronista esportivo do jornal “A Noite” que apresentou aos carnavalescos um boneco feito em papelão e sugeriu sua indicação como comandante da folia. Esse boneco desfilou no centro da cidade, sendo depois colocado em seu trono para presidir de forma simbólica as comemorações daquele ano. Mas como os proprietários do jornal não se contentaram com o resultado conseguido, foi então iniciada uma campanha para escolher um rei de carne e osso, que acabou sendo o muito gordo Moraes Cardoso, responsável pela seção de turfe da empresa jornalística. Após ser vestido como rei e saudado com um “Vive le Roi” pelos seus colegas de redação, o jornalista desfilou pelas ruas da cidade, onde foi saudado com muita serpentina, confete e lança-perfume. Estava criada, assim, a figura do rei Momo, primeiro e único. Moraes Cardoso reinou absoluto no carnaval carioca até 1948, quando faleceu. Depois, até 1967, seu substituto passou a ser escolhido por entidades carnavalescas e jornalistas, mas em 1968 sua eleição foi oficializada por lei estadual, e em 1988, por lei municipal. O concurso para a escolha do rei Momo, no Rio de Janeiro, tornou-se oficial em 1950, e desde essa época sua realização corresponde a um verdadeiro espetáculo popular.

autor: FERNANDO KITZINGER DANNEMANN

Publicado no Recanto das Letras em 25/01/2006

http://felipeguerrainfo.blogspot.com.br

Entenda a origem do Carnaval no Brasil e no mundo


A famosa festa, realizada bem antes do nascimento da Igreja Católica, passou por várias transformações e se adaptou à cultura brasileira


Nem só de ziriguidum e telecoteco foi feito o Carnaval durante os séculos de história. A festa mais popular no Brasil, na verdade, teve início há milhares de anos na Antiguidade. Mas se não tinha samba e nem mulatas na avenida, a folia sempre estava presente entre hebreus, romanos e gregos. Eram grandes festejos pagãos, cheios de comida e bebida, para comemorar colheitas e louvar divindades e ocorriam entre novembro e dezembro.

Na Idade Média, a Igreja decidiu incorporar as antigas festividades ao seu calendário. O Carnaval então passou a corresponder aos últimos dias antes das limitações impostas pela Quaresma (os famosos 40 dias sem carne até a Páscoa). Era a última chance de ter o prazer de um suculento bife antes das privações até a Sexta-feira Santa. A festa foi se desenvolvendo e, no século 13, começaram a surgir os bailes de máscara, principalmente na Itália. Eram as primeiras fantasias de Carnaval, totalmente restritas à nobreza.

A partir do século 19, as máscaras e fantasias se popularizaram e fizeram parte das festas por toda a Europa. Os personagens que mais davam o que falar eram o Pierrô, o Arlequim e a Colombina (da commedia dell’arte italiana), presentes ainda hoje na festa popular.

E no Brasil?
O Carnaval foi comemorado por aqui desde a chegada dos portugueses. No século 17, por influência dos nossos conterrâneos, as celebrações resumiam-se ao entrudo. Nesta época, era uma bagunça, feita principalmente por escravos, com direito a guerras de água, farinha e limões de cheiro.

A festa só evoluiu no país no século 19, quando as classes mais ricas daqui, atiçadas pelos europeus, entraram na brincadeira do Carnaval dentro de salões. Mas nada de samba surgir ainda. "Nesta época, cantava-se de tudo no Carnaval. Até Ópera", afirma o historiador André Diniz, autor do livro Almanaque do Carnaval. "A primeira marchinha foi feita em 1899, por Chiquinha Gonzaga, para o cordão carnavalesco Rosa de Ouro: Ó abre alas. Depois da gravação do samba Pelo Telefone, de Donga e Mauro de Almeida, em 1917, este gênero começa a ganhar espaço no carnaval carioca."
A popularização do samba e das marchinhas, através de compositores como Braguinha, Haroldo Lobo e Lamartine Babo, tornaram a festa num sucesso entre a população na década de 1920. É aí que entra um famoso personagem de nossa história: Getúlio Vargas – esse você já conhece de outros Carnavais. O então presidente percebe o apelo do ritmo e decide aproximá-lo ainda mais da população para torná-lo identidade nacional.
"O estado passou a organizar o Carnaval, dando licença para os desfiles e investindo nas escolas de samba. Getúlio pegou a onda da consolidação do samba, aproximando sua política de construção do Estado Nacional das manifestações populares", explica Diniz. Daí para o samba e o Carnaval crescerem, ganharem um sambódromo e se tornarem identidades nacionais foi um pulo (de folia).
(FÁBIO CALVETTI)  http://guiadoestudante.abril.com.br