domingo, 3 de fevereiro de 2013

4 de fevereiro - Dia Mundial do Câncer
 
Dia 04 de fevereiro é considerado o Dia Mundial do Câncer. A data foi instituída há sete anos pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC). O objetivo é fomentar os debates e as reflexões sobre as políticas de combate à doença, que já é a segunda causa de mortes no mundo.Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 12,7 milhões de pessoas são diagnosticadas todo ano com câncer e 7,6 milhões de pessoas morrem vítimas da doença. A expectativa é que, até 2030, sejam 26 milhões de casos novos e 17 milhões de mortes por ano no mundo, sendo que 2/3 das vítimas ocorrerão em países em desenvolvimento.
“A maior parte do número de casos diagnosticados está ligado aos hábitos das pessoas, como, por exemplo, o consumo de cigarro e bebida alcoólica e a má alimentação. Isso é muito preocupante, pois sabemos que 80% dos cânceres têm relação direta com esses hábitos e apenas 20% provocados por outros fatores”, Explica o médico Oncologista do HSM Hospital, Centro Avançado de Oncologia, Sandro Cavalléro.
O Instituto Nacional do Câncer (INCA) prevê que pouco mais de 1 milhão de pessoas receberão, nos próximos dois anos, o diagnóstico da doença. Estima-se que os novos casos devam atingir 50,8% dos homens, sendo o câncer de próstata o mais comum entre eles. Nas mulheres, nas regiões Sul e Sudeste, o câncer de mama está em primeiro lugar, enquanto que nas populações mais carentes o de colo de útero lidera o ranking, como é o caso aqui do Pará.
Belém é a capital do país com maior incidência de câncer de estômago. São 25 casos diagnosticados para cada 100 mil habitantes e 19 casos para cada 100 mil habitantes no caso das mulheres. “Esse números estão diretamente ligados à nossa alimentação. Aqui comemos muitos alimentos salgados e defumados. A maioria é muito gordurosa, calórico e isso é um fator agravante”, ressalta Sandro Cavalléro.
Mas, apesar das estatísticas alarmantes, a boa notícia fica por conta dos tratamentos cada vez mais modernos. A quimioterapia em comprimido é uma delas. “Alguns medicamentos evitam vômito, náuseas, diarréia e isso é um avanço”, diz o oncologista.
Um desses aliados no tratamento do câncer, principalmente na mulher, é a substância doxorrubicina lipossomal peguilada (DLP) para tumores de mama e de ovário, caracterizada por sua eficácia na redução de efeitos colaterais como náuseas, vômitos, fraqueza e queda de cabelo. O fármaco está presente dentro de pequenas partículas – os lipossomos – que, por sua vez, liberam a medicação no local do tumor.
Diante dessa previsão, evitar comportamentos de riscos, e, principalmente, buscar informações médicas sobre os tipos da doença, são, com certeza, armas importantíssimas na luta contra o câncer.
COMO PREVENIR O CÂNCER
• Não fume – o cigarro é responsável por 30 % das mortes de câncer;
• Mantenha uma dieta equilibrada e rica em frutas e verduras, com pouca proteína animal;
• Procure ficar no seu peso ideal, evitando sobrepeso ou obesidade.
• Quadros infecciosos, causados por vírus ou bactérias, estão relacionados com 17% de todos os cânceres;
• É fundamental adotar um comportamento de sexo seguro. Vacinar as adolescentes contra o HPV é uma boa medida preventiva.
Fonte: Saúde em Pauta

2 comentários:

  1. A luta continua para que, um dia, afinal, não se morra tanto dessa doença insidiosa que não escolhe idade, gênero, cor, condição social ou qualquer outro parâmetro. Afinal, muito já se sabe graças à luta de tantos que, mesmo perdendo suas vidas, não esmoreceram na briga pela sobrevivência.
    A propósito, procure no google um estudo recente, entitulado Atlas, apresentado no Congresso de San Antônio, um dos centros de excelência na pesquisa do câncer, através do qual concluíram que tamoxifeno por 10 anos, ou a combinação tamoxifeno + arimidex, cinco de um e cinco de outro, é melhor do que apenas cinco anos de tamox para mulheres positivas para HER2, ou seja, aquelas que são sensíveis à hormonioterapia e se beneficiam dela. Durante cinco anos, eles acompanharam 15 mulheres e constataram um aumento de sobrevida e uma proteção maior contra recidivas e metástases naquelas que tomaram o tamox por 10 anos, ou a combinação das duas drogas, uma vez que a toxidade é relativamente baixa, ou seja, há mais benefício que custo. Beijos, boa sorte, Deus a abençoe. Angela
    http://noticiasdacozinha.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLÁ ANGELA!!
      OBRIGADA PELA DICA.
      BJUS. FIQUE COM DEUS.

      Excluir